Design para inclusão: procedimentos de pesquisa em design para acessibilidade de pessoas cegas ao serviço de cinema

Diego Normandi, Cibele Haddad Taralli

Resumo


Este artigo apresenta uma síntese parcial dos resultados de uma pesquisa de Mestrado sobre a inclusão de pessoas cegas ao serviço de cinema, a partir da percepção deste como um sistema complexo, envolvendo diferentes etapas que compõem a experiência, tais como produção, distribuição e exibição de filmes, bem como sua divulgação, processos de compra de ingressos, deslocamento aos ambientes de projeção e interação entre espectadores e o conteúdo audiovisual. O trabalho tomou como base a visão do Design e do Design de Serviços, por acreditar que tais procedimentos colaboram e tem potencial para projetar, desenhar e articular estratégias e stakeholders envolvidos nesse contexto, tendo como princípio a promoção de um serviço de cinema com foco na inclusão.

Palavras-chave


Design; Metodologia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE CINEMA - Ancine. Disponível na internet por http em: . Acesso em 20 jan. 2016

BATTARBEE, Katja. Co-experience: Understanding user experiences in social interaction. 2004. 216p. Academic dissertation. University of Art and Design Helsinki, Helsinki, 2004.

BONSIEPE, Gui. Design, Cultura e Sociedade. São Paulo: Blucher, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988. Portaria nº 188.

CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

FLICK, Uwe. Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http: http://www.censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 12 de agosto de 2012.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1995.

KRIPPENDORFF, Klaus. Propositions of Human-centeredness: A Philosophy for Design. In DURLING, David; FRIEDMAN, Ken (Org.), Doctoral Education in Design: Foundations for the Future. Staffordshire (UK): Staffordshire University Press, 2000.

LOVELOCK, C.; WRIGHT, L. Serviço: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, 2001.

MORITZ, S. Service Design: Pratical Access to an evolving field.Faculty of Cultural Science. Cologne: Köln International School of Design, University of Applied Sciences Cologne, 2005.

NORMANDI, Diego. Design para acessibilidade: inclusão de pessoas com deficiência visual ao serviço de cinema. 2016. 356 f. Dissertação (mestrado) – Universidade de São Paulo, Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo.

PAPANEK, Victor. Design for the real world: human ecology and social change. Londres: Paladin, 1974.

QUIVY, R. e CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1998.

SATO, Keiichi. Constructing Knowledge of Design, part 1: understanding concepts in design research. In DURLING, David; FRIEDMAN, Ken (Org.), Doctoral Education in Design: Foundations for the Future. Staffordshire (UK): Staffordshire University Press, 2000.

SONZA, Andréa Poletto. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectivas de usuários com limitação visual. 2003. 313 f. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias.

STICKDORN, Mark. Isto é Design Thinking de Serviços. Porto Alegre: Bookman, 2014.

VIVARTA, VEET. Mídia e deficiência. Brasília: Andi; Fundação Banco do Brasil, 2003.

WHITELEY, N. O Designer valorizado. Arcos, Rio de Janeiro, v. 1, n.único, p. 63-75, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.