Desempenho acadêmico dos alunos em curso de engenharia e licenciatura na disciplina de cálculo I

Bel Wisland, Maria do Carmo Duarte Freitas, Celso Yoshikazu Ishida

Resumo


O desempenho acadêmico tem sido objeto de estudos e reflexões de educadores e pesquisadores há décadas. Porém, as pesquisas apontam para altos índices de reprovação no ensino superior. Este artigo tem o objetivo de  analisar os resultados do desempenho dos alunos da disciplina de cálculo dos cursos de Engenharia e de licenciatura em Química, Física e Estatística, relacionados à disciplina de cálculo. Os dados são oriundos da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), registrados no ano de 2009 a 2012. A metodologia aplicada para o estudo é a técnica de estatística descritiva. Onde foi realizada uma comparação com os resultados obtidos em uma pesquisa de registros dos anos 2000 até 2008. Estudos anteriores apontam que os alunos obtiveram sucesso enquanto à aprovação. Mas, a atualização dos dados identifica um índice retrogrado.

Palavras-chave


Educação Superior; Reprovação de cálculo; Reprovação em Matemática; Estatística.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, L.M.W. ; FATORI, L.H. ; SOUZA, L.G. Ensino de Cálculo: uma abordagem usando a modelagem Matemática. Revista Ciência e Tecnologia (UNISAL), Ano X, n. 16, p 47-59, 2007.

ARTIGUE, M. Enseñanza y aprendizaje del análisis elemental: ¿qué se puede aprender de las investigaciones didácticas y los cambios curriculares? Revista Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 1, n. 1, p. 40-55, 1998.

BARROS, R.M.; MELONI, L.G.P. O processo de ensino e aprendizagem de cálculo diferencial e integral por meio de metáforas e recursos multimídia. In: XXXIV COBENGE, Passo Fundo, Anais..., 2006.

BEVENUTTI, D.B. A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. 2002. Disponível em: . Acesso 03 maio/2007.

BLOOM, B.S.; HASTINGS, J.T.; MADAUS, G.F. Evaluación del aprendizaje. Buenos Aires: Troquel, 1975.

BLOOM, B.; HASTINGS, J. T.; MADAUS, G. F. Manual de avaliação formativa e somativa do aprendizado escolar. São Paulo: Pioneira, 1983.

CABRAL, T.C.B.; CATAPANI, E. Imagens e olhares em uma disciplina de cálculo em serviço. Zetetikê, v. 11, n. 09, p. 101-115, 2003.

CAMARENA, G.P. El currículo de las matemáticas en ingeniería. Mesas redondas sobre definición de líneas de investigación en el IPN, México, 1984.

CANTÚ, I. El estilo de aprendizaje y su relación con el desempeño académico en Estudiantes de arquitectura de la Universidad de Nuevo León. Revista Internacional de Estudios en Educación, v. 2, p. 72-79, 2003.

FRANCHI, R.H. A modelagem matemática como estratégia de aprendizagem do Cálculo Diferencial e Integral nos cursos de engenharia. 148f. Dissertação de Mestrado, Unesp, Rio Claro, 1993,.

GATTEGNO, C. The Common Sense of Teaching Mathematics. Educational Solutions Worldwide Inc, 1974.

GAVIRA, N. Analisis de las causas del alto indice de reprobacion en la asignatura de matematicas del Bachillerato. Universidad Nacional Autonoma de Mexico UNAM, Mexico, D.F, 2009.

HAYDT, R.C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

HORTON, E.R.; BELLIVEAU, P. Pediatric pharmacotherapy in the PharmD curriculum: course design and student self-assessment of learning outcomes achievement. Currents in Pharmacy Teaching and Learning, v. 6, n. 2, p. 277-283, 2014.

JI, J.; DIMITRATOS, P. An empirical investigation into international entry mode decision-making effectiveness. International Business Review, v. 22, n. 6, p. 994-1007, 2013.

LEE, I.; CONIAM, D. Introducing assessment for learning for EFL writing in an assessment of learning examination-driven system in Hong Kong. Journal of Second Language Writing, v. 22, n. 1, p. 34-50, 2013.

LIMA, I.G.; SAUER, L.Z. Uma proposta metodológica e sua contribuição para a aprendizagem de matemática na formação de engenheiros. In: XXI COBENGE, 2003, Rio de Janeiro. Anais…, Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Ensino de Engenharia, 2003.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. 13º ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MIORIM, M.A. Introdução à história da educação matemática. São Paulo: Atual, 1998.

MIRAS, M.; SOLÉ, I. A evolução da aprendizagem e a evolução do processo de ensino e aprendizagem in Coll, C.; PALACIOS, J.; MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

NASCIMENTO, F.; SILVA, J. Avaliação: o que é e qual sua importância? 2008. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2008/avaliacao1.pdf, 2008. Acesso em 15 de set./2014.

NÉRICI, I.G. Metodologia do ensino: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1977.

OLIVEIRA, G. P. Avaliação formativa nos cursos superiores: verificações qualitativas no processo de ensino-aprendizagem e a autonomia dos educandos. OEI-Revista Iberoamericana de Educación. Disponível em: . Acesso em 15 de set./2014.

CAETANO, P.A.S. Gargalos no oferecimento de recuperações em disciplinas de matemática. XXXIX COBENGE, Anais..., BLUMENAU SC 2011.

PIAGET, J. et al. La enseñanza de la matemática Moderna. Madrid. Alianza Editorial S.A, 1978.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 1969.

PONTES, P.C. et al. A Relação do conhecimento de cálculo I no desempenho e conclusão dos cursos de engenharia: um estudo de caso no curso de alimentos. In: XL Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia – COBENGE, Belém, Anais..., 2012.

RUIZ, Á.; MORA, F.; CHAVARRÍA, Jessenia. (2003). Educación matemática: escenario histórico internacional y construcción de una nueva disciplina. Revista UNICIENCIA, v. 20, n. 2, 2003.

SALDAÑA, M.P.G. Estilos de aprendizaje y rendimiento académico en alumnos que cursaron genética clínica en el periodo de primavera 2009 en la Facultad de Medicina de la Benemérita Universidad Autónoma de Puebla. Revista Estilos de Aprendizaje, v. 5, n. 1, p. 42-52, 2010.

SANCHEZ, Jesús Nicasio Garcia. Dificuldades de Aprendizagem e Intervenção Psicopedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar: Critérios e instrumentos. 7. ed. Vozes. Petrópolis 2001.

SANTOS, R.V. Abordagens do processo de ensino e aprendizagem. Integração, ano XI, n. 40, p. 19-31, 2005.

SANTOS, S. C. O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: Aplicação dos “sete princípios para a boa prática na educação de Ensino superior”. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 08, nº 1, janeiro/março 2001.

Schiefelbein, E. Determinantes de la calidad: que falta mejorar?, OREALC/UNESCO, 2010.

SILVA, J.F.; SCHIMIGUEL, J. O uso das TICS no ensino superior: a integração de diferentes tecnologias à educação estatística. Anais do Encontro de Produção Discente PUCSP/Cruzeiro do Sul. São Paulo, Anais..., 2012.

SILVA, Janssen Felipe da; HOFFMAN, Jussara; ESTEBAN, Maria T. (org). Práticas avaliativas e aprendizagens significativas. Porto Alegre: Mediação, 2003.

SILVER, S.D. Designing technology for managing the information exchange of decision making teams. Decision Support Systems, v. 61, p. 136-146, 2014.

SOBEL, K.; SUGIMOTO, C.R. Assessment of learning during library instruction: practices, prevalence, and preparation. The Journal of Academic Librarianship, v. 38, n. 4, p. 191-204, 2012.

VILLARREAL, M. O pensamento Matemático de Estudantes Universitários de Cálculo e Tecnologias informáticas. Tese. 402f. (Doutorado em Educação Matemática), UNESP- RC, 1999.




e-ISSN 2175-8018


Creative Commons License
IJIE - Iberoamerican Journal of Industrial Engineering foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Iberoamerican Journal of Industrial Engineering. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Florianópolis, SC, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial do IJIE, encaminhe um e-mail para periodico.ijie@gmail.com ou ijie@contato.ufsc.br